sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Para um Ano Novo diferente


Muitos acreditam que, imbuídos de novas disposições perante a vida, a partir de primeiro de janeiro tudo poderá mudar para eles. Afinal, é um novo ano que se inicia, e que este novo ano, propiciando novas venturas, poderá fazer com que vença todos os obstáculos que surgirem pela frente, podendo usufruir uma vida muito mais feliz do que aquela que tem tido até agora.
Esta tem sido a roupagem que a todo ano experimentamos e vestimos com galhardia. Não condeno e muito pelo contrário, até incentivo o uso desta roupagem, que eu mesmo tenho vestido a cada novo ano.
Mas, na verdade, não existe diferenças entre os dias de dezembro e os de janeiro. O clima, permanece o mesmo, é verão para nós deste hemisfério sul, tanto em dezembro, como em janeiro. A situação econômica não tem sofrido variações nestes últimos anos, permanecendo a mesma pelos dezembros e janeiros. Os dias se sucedem, do mesmo jeito, o dia sucede a noite e a noite sucede ao dia.
É assim que tem sido. Portanto, não existem dias novos, nem ano novo.
Tudo se continua, num suceder, sem alterações, e a única coisa mesmo que se modifica é o número que escrevemos, quando nos referimos ao ano: 2006, 2007, e assim por diante.
Lembro-me de que, quando criança, me ensinaram que a vida na terra se extinguiria no ano dois mil, que tudo terminaria em fogo; que haveria uma modificação radical entre 1999 e 2000. Todos queriam viver para presenciar esta virada de ano. Alguns amigos me confessaram, naquela época, que queriam estar em algum lugar do mundo naquele dia, Paris, por exemplo, para acompanhar o cataclismo e morrer satisfeito. Assim como eu, muitos foram criados, acreditando mesmo que deveria haver uma modificação física a cada virada de ano. Coisa que nunca aconteceu e que continua não acontecendo.
A única modificação possível que podemos reconhecer, é aquela que ocorre em nosso comportamento, quando assim o desejamos. Se eu desejar ser melhor do que sou, mais humano, mais tolerante, mais agradecido, mais reconhecido, com certeza terei uma mudança no meu relacionamento com outras pessoas, o que poderá me propiciar novas amizades, novos conhecimentos, e com isto, oportunidades de novos negócios, que contribuirão para que eu tenha mais sucesso nos meus empreendimentos e que dessa forma possa ser mais feliz.
Porem, se eu não desejar e não me esforçar para me modificar, não ocorrerá mudanças, e, portanto, estas não serão possíveis de serem identificadas.
Portanto, lembre-se, só vai depender de nós, só vai depender de você, para que isto ocorra, para que exista realmente um novo ano para você.


Carlos Roberto Caliento

*Acho que ele disse tudo que eu estava com preguiça de escrever. Enfim... "sua vida nova" irá depender do que VOCÊ vai fazer para que ela se modifique, uma virada de ano não vai alterar seu caráter ou seus pensamentos.
Para todos desejo um ano onde haja o reconhecimento de que não há como se amar sem amar o outro, que não é possível viver sozinho e que a vida só há sentido quando encontramos o porquê dela e eu sei qual é: Viver para Cristo.

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

"Partir e Sozinho"

É engraçado quando descobrimos que essa é a solução, partir e sozinho. Quando descobrimos que não somos tão importante pra alguém quanto pensávamos ser.
Que o sol não se tapa com a peneira e que quando um não quer, dois não brigam! Isso dói. E como.
Mas será que dá pra simplesmente partir? Por mais que andemos vamos olhar para trás e ver pegadas, talvez vejamos 2, 3, 4 pares. Essas pegadas são as coisas que nos marcaram, a gente pode sair de um lugar pro outro, mas tem coisa que não sai da gente.
Mas o que fazer? ficar andando em círculos, aceitar essas condições miseráveis
de sentimentos subalternos ou ser superior e partir? O que vai ter lá na frente? Pegadas lá de trás ou sentimentos superiores?
E o mais engraçado ainda é a falta de percepção e condolência...
Mas vamos caminhar, em breve veremos se: em círculos, acompanhados ou sozinhos...

Ana Carol, minha querida e admirada amiga!

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

HOHOHO, Feliz Natal



Passou tão rápido e chegou... Cheio de alegriiia!
Feliz natal para os meus queridos leitores, beijo grande e boas festas.

Com todo o meu amor, para cocó Cagol


Roberta Cristina diz:
vc leu o texto "Uma esperada retrospectiva"
?

CAROL diz:
hihi vou ver
li sim
só nao me achei la mas li
rs

Roberta Cristina diz:
não preciso de citar teu nome lá, Coração. Quando eu falo sobre '"vida" você já está lá, porque vc faz parte dela

CAROL diz:
aaaai que linnndooo
vou postar isso no meu blog porque eu eestou muito sensivel
entao é nois
vou postar
que lindoo
rs
><

Roberta Cristina diz:
uahauhauhauhauhahaha

CAROL diz:
voce tb faz parte da minha

Roberta Cristina diz:
eu sei, eu sei

CAROL diz:
voce tem que dizer "ai que lindoo"
e nao que ja sabe sua idiotinha
rs

Roberta Cristina diz:
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
AI, QUE LINDOO





Coração, não imaginava que um ano podesse trazer tanta gente nova e especial pra mim. Hoje sou feliz por ter te conhecido, por ter me identificado. Pegamos 557 expresso, comemos Hershey's no ônibus (e salgado tbm) que nem duas pobres, prestamos atenção na conversa dos outros enquanto não conseguiamos parar de rir, contamos hisórias da brigas, dos amores, das dores e eu pude conhecer a menina metidinha que estava agarrada com outro carinha no auditório do Senac perguntando pra Juju se podia usar um alargador. Mas cá pra nós: Desde aquele dia, mesmo com sua cara de leãozinho metido, eu gostei de você um pouquinho. BEM pouquinho.
Deixa eu te contar um segredo?
TE - AMO

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Manual Pessoal

Dizem que materializar os sonhos escrevendo ajuda, então lá vai: quero olhos nos olhos, eu te amo, quero cineminha com encosto de ombro cheiroso, casar de branco, ser carregada no colo, filhos, casinha no campo com cerquinha branca, cachorro e caseiro bacana. Quero ouvir Chet Baker numa noite chuvosa e ter de um lado um livrinho na cabeceira da cama e do outro o homem que amo.
Quero churrasco e as famílias reunidas. Quero ter certeza, ali no fundo da alma dele, de que ele me ama. Quero que ele saia correndo quando meu peito amargurado precisar de riso. Que ele esqueça, de vez em quando, seu lado egoísta, e lembre do meu. Que a gente brigue de ciúmes, porque ciúmes faz parte da paixão, e que faça as pazes rapidamente, porque paz faz parte
do amor. Quero ser lembrada em horários malucos, todos os horários, pra sempre. Quero ser criança, mulher, homem, et, megera, maluca e, ainda assim, olhada com total reconhecimento de território. Quero foto brega
na sala, com duas crianças enfeitando nossa moldura. Quero o sobrenome dele, o suor dele, a alma dele, o dinheiro dele (brincadeira...). Que ele seja a família que escolhi pra sempre. Quero que ele passe a mão na minha cabeça quando eu for
sincera em minhas desculpas e que ele me ignore quando eu tentar enrolá-lo em minhas maldades. Quero que ele me torne uma pessoa melhor, que me faça comer peixe apimentado sem medo, respeite meus enjôos de sensibilidade, minhas esquisitices depressivas e morra de rir com meu senso de humor arrogante. Que seja lindo
de uma beleza que me encha de tesão e que tenha um beijo que não desgaste com a rotina. Que a sua remela seja sequinha e não gosmenta e que o tempo leve um pouco de seu cabelo (adoro carecas...). Que suas escatologias não passem de piada e se materializem bem longe de mim. Tem que gostar de crianças, de cachorrinhos, da minha mãe, e tem que odiar ver pessoas procurando comida no lixo. Tem que dançar charmoso, ser irônico, ser calmo porém macho (ou seja, não explodir por nada mas também não calar por tudo). Tem que ser meio artista, mas também ter que saber cuidar dos meus problemas burocráticos. Tem que amar tudo o que eu escrevo e me olhar com aquela cara de "essa mulher é única". É mais ou menos isso. Achou muito? Claro que não precisa ser exatamente assim, tintim por tintim. Exigir demais pode fazer eu acabar sozinha em mais shows do Roberto Carlos. Deus me livre! Bom, analisando aqui, dá pra tirar umas coisinhas. Deixa eu ver... Resumindo então: tem que dizer que me ama e me amar mesmo, tem que rolar umas sacanagens e não pode ter remela
gosmenta. Pronto!
E quando eu tiver tudo isso e uma menina boba e invejosa me olhar e pensar que "aquela instituição feliz não passa de uma união solitária de aparências" vou ter pena desse coração solitário que ainda não encontrou o verdadeiro amor.

Da Mestra, Tati B.

Roubado da Cagol Mendonça, que sempre rouba minhas músicas. :D
Oi, Coração! hahaha

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Uma esperada retrospectiva

Analisar um ano é tão estranho. Nunca fui muito disso. Já dizia o Dan que fim de ano é época das analises e aí a gente percebe quanta besteira fizemos. É realmente triste olhar e ver que eu poderia ter feito mais, podia ter sido melhor, mas se não foi é porque não era para ser, já que tenho plena consciência que fiz por mim o máximo que poderia fazer: fui feliz, amei muito, aproveitei os bons e ruins momentos que tive, aprendi a adorar os seres terráqueos, que as vezes tanto me assombram. Agora valorizo ainda mais uma mesa cercada de sorrisos e conversas, de abraços e de confiança, ou melhor, de quem nos transmite confiança. Esse ano me ensinou que certos sentimentos são tão lindos que só se intensificam, entendi o que é a verdadeira amizade. E ano que vem não se assuste se ver essa frase novamente em um texto retrospectivo, pois a cada dia que passa eu entendo como é bom ter alguém pra chorar comigo,pra exibir sorrisos e idiotices pelo mundo. É bom saber que depois de um dia cansativo de estresse e calor vou ter três rostinhos lindos me esperando em casa, mesmo que eu chegue com reclamações ou esteja em um dia que fico insuportável. Ainda melhor é ter um Pai acima dos céus que sei que jamais vai me abandonar, mesmo eu sendo falha e infiel à ele com minhas promessas. Quanta coisa ele me ensinou esse ano. A dor chegou, mas, ainda assim, cheia de alegria, por mais contraditório que seja. Esse ano se resumiu a um rosto magrelo, com os cabelos alvoroçados cheio de cachos, olhos brilhantes e um sorriso delicado, que por vezes era resultado de uma boa gargalhada. E como disse Drummond, dotado de sabedoria, "as coisas findas, muito mais do que lindas, essas ficarão". As memórias permanecerão como uma bonita fotografia, e mesmo que capitulos tenham sido enterrados ou páginas viradas, elas terão sua importância por toda a minha vida, pois elas fizeram o meu ano ser como foi: P-E-R-F-E-I-T-O.

Porque eu sei

"Porque eu sei que é amor
Eu não peço nada em troca
Porque eu sei que é amor
Eu não peço nenhuma prova"

Titãs

Estou aqui

Sumi... eu sei! Sinto falta de passar aqui pra escrever sobre minhas frescuras e preocupações, mas prova da ufes termina hoje e serei toda do Doce Calmaria. :)


Enquanto isso deixo um Trecho de Ps.: Eu te amo, o livro:


- É sim. Eu simplesmente não posso seguir com minha vida como vocês todos estão fazendo e fingir que não aconteceu.

- Você acha que é isto que estamos fazendo?

- Bem vamos examinar as evidências?- Perguntou ela sarcasticamente- Sharon vai ter um bebê e Denise vai se casar.

- Holly, isto se chama vida. [...]


segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Quanto custa...


... ter uma certeza?

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Sei bem o que dizes

“Você diz que ama a chuva, mas você abre seu guarda-chuva quando chove. Você diz que ama o sol, mas você procura um ponto de sombra quando o sol brilha. Você diz que ama o vento, mas você fecha as janelas quando o vento sopra. É por isso que eu tenho medo. Você também diz que me ama…“

(William Shakespeare)

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

I'm fine

A maioria das pessoas conta 3 mentiras ao dia, o que dá 1095 mentiras ao ano e em 5 anos são 5475 mentiras… E a mentira mais comum é: “Estou bem”.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Se não existisse...


Talvez se tudo fosse sem cor seria mais fácil de lidar. Não existiriam dias tristes, dias felizes, nem o meio termo. Num mundo preto-e-branco não haveria tpm (para a felicidade dos homens). Porém também não teria aquela alegria repentina ao receber um abraço. Esses dias me disseram que acho graça em tudo, OLHA A MINHA CARA DE PREOCUPADA. Tem é que ser assim mesmo. Fazer das maiores tristezas uma gargalhada, se não for assim as rugas chegam mais cedo, como comprova a ciência.

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Também odeio a depressão Pós-Livro :(

NÃO!

Eu não gosto de tomate no hamburger.
Não gosto de aceitar ser de outro jeito quando acho que o meu é o certo.
Não gosto de olhar fotos e ver que a vida continua andando sim mim, porque no fundo lá é onde eu queria estar.
Não gosto de sentir dor, e fico uma mala quando sinto.
Não gosto de incertezas, rotinas e de ficar curiosa.
Não gosto de ficar esperando (odeeeio).
Mas o que eu realmente não gosto é quando alguém simplesmente aceita tudo o que eu digo não gostar, quando aceita minha infantilidade que por vezes dá as caras. Gosto de quem não se importa com minhas atitudes bobas e me confronta e diz que estou errada, que tenho que parar de ser cabeça dura. Ter caráter é dizer que está errado e ponto final. Aceitar tudo de cabeça baixa é ser pau mandado! [era isso que eu gostava em você]

sábado, 27 de novembro de 2010

Como todo mundo faz





Seria mais fácil fazer como todo mundo faz
o caminho mais curto, produto que rende mais
seria mais fácil fazer como todo mundo faz
um tiro certeiro, modelo que vende mais

Mas nós dançamos no silêncio
choramos no carnaval
não vemos graça nas gracinhas da tv
morremos de rir no horário eleitoral

Mas nós vibramos em outra freqüência
sabemos que não é bem assim
se fosse fácil achar o caminho das pedras
tantas pedras no caminho não seria ruim

Poisé, Deus! Tudo por Ele e para Ele.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Poisé, Poisé


Não quero imaginar como será daqui alguns dias, meses, anos. Olho pra trás e sinto saudade do que passou. Olho pra frente e já fico que coração cortado com as mudanças que possam acontecer. Sim, eu gosto de mudanças, mas não de incertezas. Prefiro ter tudo traçado. Não como o que vou fazer daqui uma hora ou dois dias, mas o que será da minha vida no próximo ano. Agora entendo o que o Dan quis dizer quando me falou sobre fins de ano... Olhar pra trás e para frente e acabar não curtindo o presente. Os meses correram, tanta coisa passou por mim e me deixou de presente uma experiência a mais.

Sinto falta das férias de 2004. Das novidades de 2008, dos amigos da fase de transição, dos sorrisos que eu nem reparei. Vou sentir falta de 2010, e dos amigos que vieram junto com ele. Mesmo que daqui a um tempo sejam só lembranças, mas serão uma das melhores. êÊê Nostalgia... que droga, hein!


quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Sobre mim

"Exagerada toda a vida: minhas paixões são ardentes;
minhas dores de cotovelo, de querer morrer;
louca do tipo desvairada;
briguenta de tô de mal pra sempre;
durmo treze horas seguidas;
meus amigos são semi-irmãos;
meus amores são sempre eternos
e meus dramas, mexicanos."

Lispector

*Peguei emprestado do Paranóia do Coração, já que achei tão "eu" :)

Pintaram Tudo de Cinza

Apagaram tudo
Pintaram tudo de cinza
A palavra no muro
Ficou coberta de tinta

Apagaram tudo
Pintaram tudo de cinza
Só ficou no muro
Tristeza e tinta fresca

Nós que passamos apressados
Pelas ruas da cidade
Merecemos ler as letras
E as palavras de Gentileza

Por isso eu pergunto
À você no mundo
Se é mais inteligente
O livro ou a sabedoria

O mundo é uma escola
A vida é o circo
Amor palavra que liberta
Já dizia o Profeta


Gentileza era uma espécie de “profeta moderno”, um andarilho que saiu pelas ruas da cidade durante quarenta anos pregando a boa convivência entre os homens.

Morto em 96, Gentileza ingressou recentemente no imaginário de composições de Marisa, no dia em que ela foi gravar um comercial para a Campanha da Paz, junto com Carlinhos Brown. “O Gentileza tinha deixado mensagens escritas nos pilares de um viaduto. Chamei o Brown e disse que ia mostrar algo chocante. Quando chegamos lá, fiquei muito triste em ver que haviam passado cal por cima, apagando as mensagens. No dia seguinte, escrevi a música. Foi bastante sintomático o fato dessas mensagens de sabedoria serem encobertas em um momento em que o Rio de Janeiro anda tão violento”, observa a cantora e compositora.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Escrever = Blog = Vício


Escrever virou um vício. Frases soltas, textos longos, nadas escritos só pra existir. Se eu não registrar, uma parte de mim se esquece. Se eu parar, uma parte de mim morre.
E o bloqueio? Vai me enlouquecendo. É como se me negassem comida, oxigênio. Sinto como seu eu fosse morrendo a cada começo jogado de lado por não ter o que desenvolver. Se eu dormir, acordo melhor?

Verônica Heiss

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Caio F.

Meu coração tá ferido de amar errado. De amar demais, de querer demais, de viver demais. Amar, querer e viver tanto que tudo o mais em volta parece pouco. Mas você não vê. Não vê, não enxerga, não sente. Não sente porque não me faz sentir, não enxerga porque não quer. A mulher louca, que mesmo tão cheia de defeitos sempre foi sua. Sempre fui só sua. Sempre te quis só meu. E você, cego de orgulho bobo, surdo de estupidez, nunca notou. Nunca notou que mulheres como eu não são fáceis de se ter; são como flores difíceis de cultivar. Flores que você precisa sempre cuidar, mas que homens que gostam de praticidade não conseguem. Homens que gostam das coisas simples. Eu não sou simples, nunca fui. Mas sempre quis ser sua, consertar meus erros,viver novos momentos e você não. Você, meu homem, tinha que cuidar. E nessa de cuidar, tenho que cuidar de mim. De mim, do meu coração e dessa minha mania de amar demais, de querer demais, de esperar demais. Dessa minha mania tão boba de amar errado.

domingo, 21 de novembro de 2010

sábado, 20 de novembro de 2010

O amor não tira férias

Miles: - Por que eu sempre sinto atração por uma pessoa que não é certa?
Íris: - Acho que sei essa resposta. Porque você acha que ela é boa e sempre que ela faz algo que mostre que ela não é boa você ignora e sempre que age de forma que te surpreende ela te reconquista. E aí você esquece a ideia de que ela não serve para você.
Miles: -Exatamente. E pra terminar tem aquele velho chavão: Eu não acredito que uma mulher como aquela se interessou por um cara como eu.
[...]
Íris: - Olha é difícil acreditar quando as pessoas dizem eu sei como se sente, mas eu sei mesmo como se sente. Sabe, Eu estava saindo com uma pessoa lá em Londres. Trabalhávamos no mesmo jornal. E aí eu descobri que ele estava saindo com outra garota. Acontece que ele não me amava como eu esperava. O que eu estou querendo dizer é que eu entendo o que é se sentir a menor e a mais insignificante das pessoas do mundo, e isso faz você sentir dores em lugares que você nem sabia que existiam no corpo. E não importam quantos penteados fizer ou quantas academias você entrar ou quantas taças de Chá Sei lá de quê (não identifiquei o nome) Você ainda vai pra cama a noite pensando em cada detalhe, imaginando o que fez de errado ou como pode ter interpretado mal e como foi que por um breve momento você achou que podia ser tão feliz. As vezes você até consegue se convencer de que ele num passe de mágica. E depois de tudo isso, demore o que tem que demorar, você vai pra um lugar novo, vai conhecer pessoas novas que fazem você se valorizar e pedacinhos da sua alma vão finalmente voltar. E aquela época turva, e aqueles anos ou a vida que você disperdiçou, tudo isso começa a se dissipar.

Do filme "O amor não tira férias"

(Hoje parei para novamente assistir esse maravilhoso filme e mais uma vez fiquei encantada com as frases lindíssimas que tem nele *-*)

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Para quem não vai voltar


Você foi e deixou a porta aberta, mas não olhou para trás. O pior é constatar que tudo ficou e que eu sinto saudade. E sinto MUITA saudade.
Se você voltasse eu não me importaria... e te abraçaria, te sentiria e mais uma vez me acostumar com teu cheiro, tua pele. Ter você por perto é bom e já era uma parte do meu dia, que agora não existe. E dói. E falta. E sobra.
Se você estivesse aqui seria diferente. Seria mais feliz. [Mas você não está e essa é a realidade]

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Eu fico olhando para você


- Por que você tem me vigiado, Kale? Hã? O que mais você viu?
- [...] Eu vi muita coisa. Por exemplo, eu reparei que você talvez seja uma das três pessoas que mais gosta de batata com sabor de piza. Também é a única pessoa que vi que passa mais tempo no telhado da casa do que na casa. Sabe o que você faz? Você lê livro, não aquelas revistas bobas de fofocas, sabe? Você lê livros com conteúdo. Sempre que você sai do quarto você pega a maçaneta e gira, se prepara para sair e não sai e para e fica se olhando no espelho, mas não é aquele olhar do tipo "eu sou gostosa", não. Parece mais "quem eu sou de verdade". É muito legal. E você fica olhando na janela o tempo todo, só que fica olhando o mundo.Tentando entender o mundo, tentando entender porque ele não está em ordem. Como nos livros.
Eu fico olhando pra você.
- Essa é a coisa mais assustadora. Ou a mais linda que eu já ouvi.

Do filme "Paranóia"

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Não é fácil

Não é fácil
Não pensar em você
Não é fácil
É estranho
Não te contar meus planos
Não te encontrar

Onde você anda
Onde está você
Toda vez que saio
Me preparo pra talvez te ver

Na verdade eu preciso esquecer
Não é fácil, não é fácil

Todo dia de manhã
Enquanto tomo meu café amargo
É, ainda boto fé
De um dia te ter ao meu lado

Se você quisesse ia ser tão legal
Acho que eu seria mais feliz
Do que qualquer mortal

Na verdade não consigo esquecer
Não é fácil
É estranho



Da diva, Marisa Monte

domingo, 17 de outubro de 2010

Kyle XY


"Amanda estava certa. As leis da ciência não se aplicam aos assuntos do coração. Mas o ciúme havia prejudicado meu discernimento. A verdadeira química não pode ser forçada nem manipulada. E uma verdadeira relação só pode ser construída ou restaurada com honestidade e respeito mútuo. Fracassei com Amanda. Havia fracassado conosco."

3ª Temporada, Episódio 7.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Mas tudo passa... Tudo passa!


O tempo passou. No meio da festa, outro dia, eu olhei para o sujeito e percebi que não sentia mais nada em relação a tudo aquilo. Parecia tão importante na época, parecia insuperável, mas acabou, ficou para trás, não deixou rastros. A vida andou, como a vida costuma fazer - desde que a gente não se agarre às memórias com as duas mãos, desde que a gente não fique refém da traição e da culpa.

Caio F.

sábado, 9 de outubro de 2010

Diálogo

(Gary um solteiro, galinhão, muito charmoso e Crhistopher, um médico separado, deixado pela esposa com a desculpa de que não dedicava tempo a ela. E agora ele se via se apaixonando por uma outra mulher depois de tanto sofrer por sua ex -esposa)


-Tenho cinquenta anos. Aprontei feliz da vida com tudo que via pela frente por belos trinta e poucos anos, e agora... -disse Gary, suspirado fundo e balançando o cabeça.
- Minha nossa. Coitadinho. Então, é ela? Você finalmente percebeu os erros de seus hábitos?
- Não os erros. Antes, eu estava bem. Ficava feliz em pular de galho em galho.
- E agora não mais?
- É um sentimento estranho. É como... bem... uma preocupação. Uma espécie de medo. E, ao mesmo tempo, uma empolgação. Entusiasmo... e tristeza... tudo misturado. Um tipo de dor -explicou ele enquanto tomava um farto gole de uísque. -Talvez eu deva ir ao médico. Que estúpido! A essa altura da vida.
- Se que a opinião de um médico, eu diria que você apresenta os sintomas do pior de todos os males.
Gary se virou para o amigo:
- Isso tem cura?
- O tempo, em alguns casos, cura. Mas apenas em alguns casos. Em outros, os sintomas parecem durar a vida inteira com variações dos graus de gravidade.
- E você? -Perguntou Gary.
- Tive isso uma vez, mas foi embora. Sem avisar.
- Então você está curado?
- Pensei que estivesse. Mas acho que posso estar contraindo isso de novo - disse Christopher, olhando para as brasas- E não tem absolutamente nada que eu possa fazer a respeito.

Trecho do livro "O amor e o dr. Devon"

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Um ato de Amor

O que significa fazer a diferença? Por muito tempo acreditei que bastava dizer que eu amava e seguia a Deus e já seria o suficiente, eu teria feito a diferença. Mas hoje, após me inclinar e permanecer atenta a voz do Senhor a cada manhã percebo quanta coisa está envolvida nesse simples ato.
Não vou dizer que é fácil por que na maioria das vezes você será humilhado, mas assim como afirma nas escrituras, exaltados serão os humilhados. Valentia, Coragem, Dor, Amor, mais Valentia e Prostração são essenciais em todo esse processo. E esse último é o mais admirável gesto, pois é quando reconhecemos que já não somos nada e deixamos Deus reinar. No fim das contas tudo se resumirá no amor. Ah! o amor. Sempre ele. Sem ele fazer a diferença não teria sentido, pois quando chegamos ao grau de intimidade que amamos mais a Deus do que a nós mesmo e entregamos tudo nas mãos d'Ele, queremos apresentá-lo ao mundo inteiro. Como? Fazendo a diferença.
E então as pessoas perceberão que existe algo tão lindo em nós que terão o desejo de conhecê-lo também. E será nesse momento que sentiremos que já não somos nós que vivemos, mas Cristo vive em nós.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Eu posso ser


"Depois de um bom tempo dizendo que eu era a mulher da vida dele, um belo dia eu recebo um e-mail dizendo: 'olha, não dá mais'. Tá certo que a gente tava quase se matando e que o namoro já tinha acabado mesmo, mas não se termina nenhuma história de amor (e eu ainda o amava muito) com um e-mail, não é mesmo? Liguei pra tentar conversar e terminar tudo decentemente e ele respondeu: mas agora eu to comendo um lanche com amigos'. Enfim, fiquei pra morrer algumas semanas até que decidi que precisava ser uma mulher melhor para ele. Quem sabe eu ficando mais bonita, mais equilibrada ou mais inteligente, ele não volta pra mim?

Foi assim que me matriculei simultaneamente numa academia de ginástica, num centro budista e em um curso de cinema. Nos meses que se seguiram eu me tornei dos seres mais malhados, calmos, espiritualizados e cinéfilos do planeta. E sabe o que aconteceu? Nada, absolutamente nada, ele continuou não lembrando que eu existia.
Aí achei que isso não podia ficar assim, de jeito nenhum, eu precisava ser ainda melhor pra ele, sim, ele tinha que voltar pra mim de qualquer jeito!

Pra isso, larguei de vez a propaganda, que eu não suportava mais, e resolvi me empenhar na carreira de escritora, participei de vários livros, terminei meu próprio livro, ganhei novas colunas em revistas, quintupliquei o número de leitores do meu site e nada aconteceu. Mas eu sou taurina com ascendente em áries, lua em gêmeos, filha única! Eu não desisto fácil assim de um amor, e então resolvi tinha que ser uma super ultra mulher para ele, só assim ele voltaria pra mim.

Comecei um documentário com um grande amigo, cortei meu cabelo 145 vezes, aumentei a terapia, li mais uns 30 livros, ajudei os pobres, torrei no sol, fiz milhares de cursos de roteiro, astrologia e história, aprendi a nadar, me apaixonei por praia, comprei todas as roupas mais lindas de Paris.
Resultado disso tudo: silêncio absoluto.

O tempo passou, eu continuei acordando e indo dormir todos os dias querendo ser mais feliz para ele, mais bonita para ele, mais mulher para ele.

Até que algo sensacional aconteceu...

Um belo dia eu acordei tão bonita, tão feliz, tão realizada, tão mulher, que eu acabei me tornando mulher DEMAIS para ele. Ele quem mesmo???"


Mathinha M.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Coisas do tempo

Eu queria algo profundo, verdadeiro e bonito para escrever. Sabe-se lá o tema, mas no momento eu me retiro, observo e aprendo. Vamos concretizar o aprendizado pra depois escrever sobre ele, é mais fácil e certeiro.
Às vezes me pego desesperada por respostas ou soluções, porém o meu tempo não é o único que existe nesse mundo. Muitas vezes um mês, para a minha impaciência, pode ser 3 dias. Mas não é. Não é. E isso dói.

domingo, 3 de outubro de 2010

Huuuuummmm....


Porque é delicioso e viciante! Morangos com Leite Condensado *-*
Ps.: esse é o cardápio da hora. E para comer ao som de SUDDENLY I SEE - Kt Tunstall

sábado, 2 de outubro de 2010

Só o futuro importa! SERÁ?

Comecei a escrever um novo livro, sobre os mitos e mentiras que nossa cultura expõe em prateleiras enfeitadas, para que a gente enfie esse material na cabeça e, pior, na alma – como se fosse algodão-doce colorido. Com ele chegam os medos que tudo isso nos inspira: medo de não estar bem enquadrados, medo de não ser valorizados pela turma, medo de não ser suficientemente ricos, magros, musculosos, de não participar da melhor balada, do clube mais chique, de não ter feito a viagem certa nem possuir a tecnologia de ponta no celular. Medo de não ser livres.
Na verdade, estamos presos numa rede de falsas liberdades. Nunca se falou tanto em liberdade, e poucas vezes fomos tão pressionados por exigências absurdas, que constituem o que chamo a síndrome do "ter de". Fala-se em liberdade de escolha, mas somos conduzidos pela propaganda como gado para o matadouro, e as opções são tantas que não conseguimos escolher com calma. Medicados como somos (a pressão, a gordura, a fadiga, a insônia, o sono, a depressão e a euforia, a solidão e o medo tratados a remédio), cedo recorremos a expedientes, porque nossa libido, quimicamente cerceada, falha, e a alegria, de tanta tensão, nos escapa.

Preenchem-se fendas e falhas, manchas se removem, suspendem-se prazeres como sendo risco e extravagância, e nos ligamos no espelho: alguém por aí é mais eficiente, moderno, valorizado e belo que eu? Alguém mora num condomínio melhor que o meu? Em fileira ao longo das paredes temos de parecer todos iguais nessa dança de enganos. Sobretudo, sempre jovens. Nunca se pôde viver tanto tempo e com tão boa qualidade, mas no atual endeusamento da juventude, como se só jovens merecessem amor, vitórias e sucesso, carregamos mais um ônus pesadíssimo e cruel: temos de enganar o tempo, temos de aparentar 15 anos se temos 30, 40 anos se temos 60, e 50 se temos 80 anos de idade. A deusa juventude traz vantagens, mas eu não a quereria para sempre: talvez nela sejamos mais bonitos, quem sabe mais cheios de planos e possibilidades, mas sabemos discernir as coisas que divisamos, podemos optar com a mínima segurança, conseguimos olhar, analisar e curtir – ou nos falta o que vem depois: maturidade?
Parece que do começo ao fim passamos a vida sendo cobrados: O que você vai ser? O que vai estudar? Como? Fracassou em mais um vestibular? Já transou? Nunca transou? Treze anos e ainda não ficou? E ainda não bebeu? Nem experimentou uma maconhazinha sequer? E um Viagra para melhorar ainda mais? Ainda agüenta os chatos dos pais? Saiba que eles o controlam sob o pretexto de que o amam. Sai dessa! Já precisa trabalhar? Que chatice! E depois: Quarenta anos ganhando tão pouco e trabalhando tanto? E não tem aquele carro? Nunca esteve naquele resort?

Talvez a gente possa escapar dessas cobranças sendo mais natural, cumprindo deveres reais, curtindo a vida sem se atordoar. Nadar contra toda essa louca correnteza. Ter opiniões próprias, amadurecer, ajuda. Combater a ânsia por coisas que nem queremos, ignorar ofertas no fundo desinteressantes, como roupas ridículas e viagens sem graça, isso ajuda. Descobrir o que queremos e podemos é um bom aprendizado, mas leva algum tempo: não é preciso escalar o Himalaia social nem ser uma linda mulher nem um homem poderoso. É possível estar contente e ter projetos bem depois dos 40 anos, sem um iate, físico perfeito e grande fortuna. Sem cumprir tantas obrigações fúteis e inúteis, como nos ordenam os mitos e mentiras de uma sociedade insegura, desorientada, em crise. Liberdade não vem de correr atrás de "deveres" impostos de fora, mas de construir a nossa existência, para a qual, com todo esse esforço e desgaste, sobra tão pouco tempo. Não temos de correr angustiados atrás de modelos que nada têm a ver conosco, máscaras, ilusões e melancolia para aguentar a vida, sem liberdade para descobrir o que a gente gostaria mesmo de ter feito.

Lya Luft, que SÓ disse TUDO o que eu queria dizer

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Frágil


Você tem tanta vontade de chorar, tanta vontade de ir embora. Para que o protejam, para que sintam falta. Tanta vontade de viajar para bem longe, romper todos os laços, sem deixar endereço. Um dia mandará um cartão-postal de algum lugar improvável. Bali, Madagascar, Sumatra. Escreverá: penso em você. Deve ser bonito, mesmo melancólico, alguém que se foi pensar em você num lugar improvável como esse. Você se comove com o que não acontece, você sente frio e medo. Parado atrás da vidraça, olhando a chuva que, aos poucos começa a passar.

Caio Fernando

terça-feira, 28 de setembro de 2010

O mulherão

Peça para um homem descrever um mulherão.Ele imediatamente vai falar do tamanho dos seios,na medida da cintura,no volume dos lábios,nas pernas,bumbum e cor dos olhos.Ou vai dizer que mulherão tem que ser loira,1,80m,siliconada,sorriso colgate.Mulherões,dentro deste conceito,não existem muitas:Vera Fischer,Leticia Spiller,Malu Mader,Adriane Galisteu,Lumas e Brunas.Agora pergunte para uma mulher o que ela considera um mulherão e você vai descobrir que tem uma a cada esquina.

Mulherão é aquela que pega dois ônibus por dia para ir ao trabalho e mais dois para voltar,e quando chega em casa encontra um tanque lotado de roupa e uma família morta de fome.Mulherão é aquela que vai de madrugada para a fila garantir matricula na escola e aquela aposentada que passa horas em pé na fila do banco para buscar uma pensão de 100 Reais.
Mulherão é a empresária que administra dezenas de funcionários de segunda a sexta, e uma família todos os dias da semana.Mulherão é quem volta do supermercado segurando várias sacolas depois de ter pesquisado preços e feito malabarismo com o orçamento.Mulherão é aquela que se depila, que passa cremes, que se maquia, que faz dieta,que malha,que usa salto alto, meia-calça,ajeita o cabelo e se perfuma,mesmo sem nenhum convite para ser capa de revista.Mulherão é quem leva os filhos na escola,busca os filhos na escola,leva os filhos para a natação,busca os filhos na natação,leva os filhos para a cama,conta histórias,dá um beijo e apaga a luz.Mulherão é aquela mãe de adolescente que não dorme enquanto ele não chega, e que de manhã bem cedo já está de pé, esquentando o leite.
Mulherão é quem leciona em troca de um salário mínimo,é quem faz serviços voluntários,é quem colhe uva,é quem opera pacientes,é quem lava roupa pra fora,é quem bota a mesa,cozinha o feijão e à tarde trabalha atrás de um balcão.Mulherão é quem cria filhos sozinha, quem dá expediente de oito horas e enfrenta menopausa,TPM,menstruação.Mulherão é quem arruma os armários, coloca flores nos vasos,fecha a cortina para o sol não desbotar os móveis, mantém a geladeira cheia e os cinzeiros vazios.Mulherão é quem sabe onde cada coisa está, o que cada filho sente e qual o melhor remédio pra azia.

LUMAS,BRUNAS,CARLAS,LUANAS E SHEILAS:Mulheres nota dez no quisito lindas de morrer, mas MULHERÃO É QUEM MATA UM LEÃO POR DIA


Martha Medeiros

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

. . .

"minha aparência é péssima, a mente e o corpo exaustos. Mas existe uma tranquilidade estranha. Não tenho mais nada a perder. Não sabia que o mundo era assim duro e sujo. Agora sei. Tenho apenas essa consciência, que só a loucura ou uma lavagem cerebral poderiam turvar. sobrevivo todos os dias à morte de mim mesmo. Sinto como uma virilidade correndo no sangue."

domingo, 26 de setembro de 2010

Degraus de um amadurecimento

É natural querermos ficar onde e como estamos, já que o processo de quebrantamento é tão doloroso. Comigo não foi diferente. Sempre cantei músicas do tipo “tudo entregarei”, “tudo é teu”, mas na realidade mal sabia o que significava isso na íntegra.
Até que Deus se manifestou.
Era um dia normal, fiz tudo como sempre fazia. Fui à igreja, adorei a Deus, dediquei a ele meu coração (em parte), até que o pastor começou a falar. Na realidade foi Deus quem começou a falar, o pastor era só um meio de Deus se manifestar em mim. Tudo o que foi dito me tocou e comecei a entregar meu tudo a Deus. Aí doeu. Entreguei minha família, meus amigos, minha grande amiga, meus bens, meu futuro, o relacionamento que tanto espero, os filhos que eu possa vir a ter um dia, e então doeu ainda mais. Até aí estava tudo bem, pois a teoria é simples, já a prática é mais complicada.
Durante a semana Deus começou a me contar uma história.
Uma família, mesmo sem condições, deu um presente para seu filho, esse era um presente muito esperado e ansiado por esse menino. E então o Pai me perguntou: - Mesmo sendo um presente tão especial, o filho passaria a amar mais o presente ou se manteria fiel à sua família? Eu tinha Essa resposta na ponta da língua pois já tinha passado por isso. Daí respondi: - À família, é claro. Cuidar do presente seria somente uma forma de demonstrar o amor que ele sentia por sua família. O espaço deles seria sempre conservado.
E aí Deus começou a me dizer onde ele realmente queria chegar.
Como eu posso amar mais a tudo o que Deus me deu do que a Ele mesmo? Minha família, meus amigos, minha grande amiga, meus bens e tudo o que “me pertenciam” eram resultado. Eram presente. Se eu os amo, deve ser por amor a Deus que os entregou a mim para cuidar.
Mas se um dia Deus os tirar de mim eu devo me manter fiel, sabendo que todo o cuidado que pude dedicar a eles já foi dedicado. E que nada me manterá em pé, ao não ser Deus. Ele é a força, Ele é o poder, Ele é o amor. A vida deve ser dedicada a Ele. Minha dependência diária deve ser exclusiva DELE. SÓ DELE.
Foi aí que entendi que mais um degrau tinha sido enfrentado. Agora sei que não tenho NENHUM outro bem além de Deus. Se eu sou feliz é porque Ele foi tão bom que me deu lindos presentes, e não porque eu os conquistei.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

"Dores e Delícias"

"Hoje eu acordei numa casa diferente, num quarto diferente, sem nenhuma muleta, sem nenhuma maquiagem, meus amigos estão ocupados. Hoje eu acordei sem nada no estômago, sem nada no coração, sem ter para onde correr, sem colo, sem peito, sem ter onde encostar, sem ter quem culpar. Hoje eu acordei sem ter quem amar, mas aí eu olhei no espelho e vi, pela primeira vez na vida, a única pessoa que pode realmente me fazer feliz"

Tati Bernardi

Amores Fantasmas


- Me mostra! Onde está esse amor? Não posso vê-lo, não posso tocá-lo, não posso senti-lo! Posso ouvir algumas palavras, mas não posso fazer nada com suas palavras fáceis. Não importa o que você diga, é tarde demais.

Diálogo do filme "Closer- Perto Demais"

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Certamente ele é o certo...



"Definitivamente eu preciso de mais emoções na minha vida. Fazia tempo que não sentia essa coisa angustiante que escurece a mente, sufoca o peito e faz andar a pé por horas e sem rumo. Talvez chegasse a hora das aventuras com gosto de cereja alimentar essa máquina que já está ansiosa pelo gosto do doce.

Não, não sou carente ao extremo e também não estou desesperado atrás de qualquer coisa que caia no meu colo por acaso. Mas juro, que se aparecesse algo que me fizesse perder a cabeça e esquecer o mundo eu estaria entre as pessoas mais realizadas neste ano.

Esse alguém nem precisa ser ou ter o encaixe perfeito. Basta ser humano o suficiente para entender os dramas do coração e dar tempo ao tempo para que as coisas aconteçam da melhor forma possível.

Esse alguém tem que passar no meio do meu expediente para dizer: "desce rapidinho só pra eu te ver, estou com saudades".

Para esse alguém vou dar o meu melhor, vou fazer sushi nos fins de semana, vou fazer massagem quando estiver cansado e vou brigar quando estiver errado. Vou mandar mensagens de boa noite, vou ligar morrendo de saudades, mas não vou ser grudento nem pegajoso. Você vai poder sair com seus amigos e eu com os meus, você poderá ter sua vida porque eu também vou ter a minha. Você vai poder ir para onde quiser. Tudo isso porque eu vou ter certeza que não vamos querer fazer nada sem a companhia um do outro.

Para esse alguém eu vou abrir a minha vida e vou mergulhar de cabeça, sem medo de ser feliz, com toda a certeza do mundo de que cada momento será eternizado pelas nossas lembranças.
Por esse alguém eu vou ficar aqui, devaneando sobre meus desejos mais doces e mais profanos.
Por esse alguém que ainda não veio, estou limpando essa máquina cheia de vícios, para que ela fique calma e zerada para que a cereja não azede, enjoe e adoce demais a vida."

Warley Vieira

Da tristeza brota alegria

“A ironia é uma tristeza que, não podendo chorar, ri.”

Jacinto Benavente, dramaturgo espanhol

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Coisas do tempo


O tempo é relativo. Sei que não sou o primeiro a perceber isso e estou longe de ser o mais famoso. [...] Isso tem a ver com o arrastar das horas enquanto eu esperava por Savannah. Passei o dia surfando e não consegui me concentrar e decidi parar no início da tarde. Li um pouco do último romance de Stephen King, tomei banho, vesti uma calça jeans e uma camisa pólo, voltei a ler por umas duas horas até que olhei no relógio e percebi que haviam se passado apenas vinte minutos. É isso que entendo sobre o tempo ser relativo.

Querido John

domingo, 12 de setembro de 2010

Pão ou Torradas?


Pink: - O que no vamos fazer hoje, Cérebro?
Cérebro: - Nós vamos "conquistar" o mundo!

Hoje você pode escolher entre fazer a diferença ou ficar onde está. Acordar e se entregar à vida, enfrentando o que vier ou dormir a manhã inteira. Ficar com fome depois de acordar, esperando o almoço ou curtir um belo café da manhã. Comer pão com queijo e presunto ou optar pela torrada light.
Sabe qual vai ser a diferença? Que quem vai escolher será você, ninguém fará isso no teu lugar.
Em que isso se aplica? Analise um pouco e logo você descobrirá ;)

Em comemoração...


...ao dia em que o grande escritor
Caio Fernando Abreu completaria seus 6.2!

"Ela é mais que um sorriso tímido de canto de boca, dos que você sabe que ela soube o que você quis dizer. Ela fala com o coração e sabe que o amor, não é qualquer um que consegue ter. Ela é a sensibilidade de alguém que não entende o que veio fazer nessa vida, mas vive."

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Quão grande és tu, tudo o que há em mim quer te louvar


Quando contemplo os teus céus, obra dos teus dedos, a lua e as estrelas que ali firmaste, pergunto: Quem sou eu[...], para que comigo te importes? [...] Para que comigo te preocupes? Tu me fizeste um pouco menor do que os seres celestiais e me coroaste de glória e de honra. Tu me fizeste dominar sobre as obras das tuas mãos; sob os meus pés tudo puseste [...]. Senhor, Meu Senhor, como é majestoso o teu nome em toda a terra!

Salmos 8: 3-6 e 9, traduzido para a 1ª pessoa.

Ela aprende [um dia]


Um dia inteiro para achar gostosas coisas bobas como um pacote de pipoca doce, um tênis pink ou a hora do banho quente com músicas recém baixadas e o tapetinho vermelho. Um dia inteiro sem escravidão. O celular, o e-mail, o telefone de casa, o ar, o interfone, a rua. São o que são e não carrascos que nada dizem e nada trazem. Um coração calmo, se ocupando de mandar sangue para as horas felizes de trabalho, estudo, yoga, massagem, dormir, bobeiras, pilates, comer, rir, cabelo, filmes, comprar, trabalhar mais, ler, amigos . É isso. Uma agenda enorme que a ocupa de ser ela e não sobra uma linha de dia pra lamentar existências alheias. Linda, ela segue. Linda e feliz como nunca. O segredo do espelho, escovando os dentes, sozinha, aperta os olhos, segura a alma um pouco sem respirar. Segura a pasta pensando que é um pouco de alma consistente na boca. Não cospe, suporte. Ela pode finalmente suportar seu peso e não dividir isso nem com o ventinho que entra pela janela. Nem com o ralo que a espera boquiaberto.

Tati Bernardi

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Um único momento

"Por um segundo, quis saber se o beijo quebraria o feitiço que nos envolvia, mas já era tarde demais para parar. Quando os lábios dela tocaram os meus, soube que poderia viver cem anos e visitar o mundo todo e nada se compararia ao momento único em que beijei a mulher dos meus sonhos e soube que meu amor duraria para sempre."

Livro Dear John *-*

Eu fico por aqui...

"Quanto a mim, a voz tão rouca, fico por aqui mesmo comparecendo a atos públicos, pichando muros contra usinas nucleares,[...] um dia de merda enquanto seguro aquele maldito emprego de oito horas diárias para poder pagar essa poltrona de couro autêntico onde neste exato momento vossa reverendíssima assenta sua preciosa bunda e essa exótica mesinha-de-centro em junco indiano que apóia nossos fatigados pés descalços ao fim de mais outra semana de batalhas inúteis, fantasias escapistas e crediários atrasados."

CFA, como sempre.

domingo, 5 de setembro de 2010

A última carta


"Mesmo que você não queira ouvir, quero que você saiba que sempre será parte de mim. No tempo que passamos juntos, você conquistou um lugar especial no meu coração, que eu vou levar comigo para sempre e ninguém, pode substituir. Você é um herói e um cavalheiro, você é gentil e honesto, mas, acima de tudo, você é o primeiro homem que amei verdadeiramente. E não importa o que o futuro traga, você sempre será, e sei que minha vida é melhor por causa disso."

Carta de Savanaah para John, do livro "Querido John".
Nos próximos dias deixarei, junto à postagem do dia, um trecho desse livro, já que gostei de tantos.

Um ótimo feriado para todos.
Que seja doce.

Traços de uma personalidade

Traços de uma personalidade

A freqüência dos problemas psicológicos tem sido cada vez maior. Auto-estima baixa tem sido um assunto muito abordado para um público misto, em relação a idade, visto que a aparência externa é o item mais levado a sério ao definir uma pessoa. Por isso muitos escondem os problemas emocionais para se preocupar com o que veste ou o corte de cabelo que se adéqua melhor ao seu estilo.
Ao adotar essa regra de beleza, os sentimentos que fazem parte de um indivíduo são deixados de lado e só é mostrada aos amigos a sua parte melhor: suas qualidades. Mas ninguém expõe suas dores, decepções e falhas, isso se dá pelo fato de que ao mostrar suas fraquezas, o ser humano fica exposto a um julgamento prévio e, como muitos pensam, nada importa mais para a imagem de alguém que a pergunta “o que irão pensar de mim?”.
Mesmo tendo adotado essa máscara de personalidade é inevitável o fato de que o caráter só é mostrado quando ninguém está olhando, pois é ali que a pessoa irá deixar seus pensamentos fluírem e perguntará a si quem é. Muitas vezes a resposta para essa pergunta não é positiva e é exatamente isso que não é mostrado às pessoas que vivem ao seu redor.
Não haverá efeito nenhum, alegria, sorrisos verdadeiros e amizades sinceras, se não existir relacionamento mútuo, em que as pessoas se conhecem e compartilham os problemas e recompensas que encontram na vida. Por isso máscaras e barreiras emocionais são simplesmente desculpas para não encarar a parte mais inesperada do seu “eu”: a sua personalidade.


(Texto inspirado na crônica "Você é a tua identidade, escrita por mim alguns post's atrás. E o título, na pressa para entregar o texto para ser postado no site do Ceic, ficou igual a um antigo texto meu.)

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

terça-feira, 24 de agosto de 2010

João e Maria

Agora eu era o rei
E pela minha lei
A gente era obrigado a ser feliz
E você era a princesa que eu fiz coroar
E era tão linda de se admirar

Não, não fuja não
Finja que agora eu era o seu brinquedo
Eu era o seu pião
O seu bicho preferido
Vem, me dê a mão
A gente agora já não tinha medo
No tempo da maldade acho que a gente nem tinha nascido

Agora era fatal
Que o faz-de-conta terminasse assim
Pra lá deste quintal
Era uma noite que não tem mais fim
Pois você sumiu no mundo sem me avisar
E agora eu era um louco a perguntar
O que é que a vida vai fazer de mim?

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Você é a tua identidade


Você é a sua identidade, o seu caráter, as suas qualidades e defeitos. Daí quando te perguntam “quem é você’’, a resposta é “sou uma pessoa feliz, que ama ter amigos e ter a família por perto”. Mas por que será que ninguém diz que é um desempregado infeliz que não se encontra nesse mundo? A resposta é que não gostamos de mostrar para qualquer um a nossa fraqueza. Usamos máscaras para dizermos que somos, mas quando ninguém está o olhando o nosso âmago, aquela partezinha que é dotada de sentimentos e que somos humanos, somos um fracasso e nosso rosto transparece tristeza. Quem é você? O que se passa aí por dentro? Por que ninguém jamais saberá o que há por trás da máscara e da barreira se você não arrancá-las.

domingo, 22 de agosto de 2010

(sem título)


Meu coração tá apertadinho assim, ó. Eu sinto a falta de tudo e me nego olhar pra trás e admitir que nada vai voltar como era. Toda a minha vida aprendi sobre o amor, mas hoje aprendi mais que em todo esse tempo e percebi o quanto existe amor aqui dentro.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010


Doce Calmaria fora do ar por mais três dias, por motivo de força maior. Mas vou ver se consigo aparecer antes! Saudades desse meu lugar :(

sábado, 7 de agosto de 2010

Pudim de Leite

Paixão,quando eu faço o seu pudim
Além de ficar gostoso quero que ele saia assim
Dançando com a cara bem bonita
Mas nem sempre a gente vira
Pra ele ficar inteirinho

Mas você diz meu bem não fique assim
De qualquer jeito não deixa de ser um pudim
Com pudim ou sem pudim
Estarei sempre aqui
Além disso você tem cuidado bem de mim

Vem, você já é o meu pudim
E se ele se espatifa todo a gente pode fazer outro
Ou então come mesmo assim
(Ou mandar outro vir da confeitaria)
Depois se acaba dentro da barriga
O que importa nessa vida
Antes do gosto do pudim é você perto de mim


♫ Helena Elis ♫

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

"O pensamento lá em você"


“Tenho trabalhado tanto, mas penso sempre em você. Mais de tardezinha que de manhã, mais naqueles dias que parecem poeira assentada aos poucos e com mais força enquanto a noite avança. Se não dormisse cedo nem estivesse quase sempre cansado, acho que esses pensamentos quase doeriam e fariam clack! de madrugada e eu me veria catando cacos de vidro entre os lençóis. Daí penso coisas bobas quando, sentado na janela do ônibus, depois de trabalhar o dia inteiro, encosto a cabeça na vidraça, deixo a paisagem correr, e penso demais em você. Quando não encontro lugar para sentar, o que é mais freqüente, e me deixava irritado, descobri um jeito engraçado de, mesmo assim, continuar pensando em você. Me seguro naquela barra de ferro, olho através das janelas que, nessa posição, só deixam ver metade do corpo das pessoas pelas calçadas, e procuro nos pés daquelas aqueles que poderiam ser os seus. (A teus pés, lembro.). E fico tão embalado que chego a me curvar, certo que são mesmo os seus pés parados em alguma parada, alguma esquina. Nunca vejo você - seria, seriam?
Assim: estou pensando em você e o telefone toca e corta o meu pensamento e do outro lado do fio você me diz: estou pensando tanto em você."


Sei que isso tá ficando muito Caio, mas o que eu posso fazer se ele escreveu tanta coisa linda? "/

quinta-feira, 5 de agosto de 2010


Clementine Kruczynski: Muitos caras acham que eu sou um conceito e que eu os completo ou vou dar vida a eles.
Mas eu sou só uma garota ferrada procurando pela minha paz de espiríto.
Não me encarregue da sua.
Joel Barish: Vou me lembrar bem desse discurso.
Clementine: Você me entendeu, não foi?
Joel: A raça humana inteira entenderia.(Ainda sim pensei que iria salva minha vida, mesmo depois disso)


Diálogo do filme Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças

Abismos

Ando meio fatigado de procuras inúteis e sedes afetivas insaciáveis.
Meu coração tá ferido de amar errado.
Acho espantoso viver, acumular memórias, afetos.
É preciso estar distraído e não esperando absolutamente nada. Não há nada a ser esperado. Nem desesperado.
Tô exausto de construir e demolir fantasias. Não quero me encantar com ninguém.
Ah, então foi pra ele que eu dei meu coração e tanto sofri? Amor é falta de QI, tenho cada vez mais certeza.


Caio Fernando Abreu, claro!

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

E quando perguntarem...


... direi que lembro de você.

domingo, 1 de agosto de 2010

Alguém pra quem voltar

Por um longo tempo estamos só marchando
Como um gado velho que vai se arrastando
O som do tambor varrendo os pés
Sentindo o chão faltar

-Ué! Pensem em ter alguém pra quem voltar
-O que?
-Foi o que eu disse. Alguém pra quem voltar

Mulan :D

sábado, 31 de julho de 2010

Um motivo para ser feliz

Hoje me perguntaram o que era o mais importante naquele momento. Quase que inconscientemente eu formulei a resposta: minha família. Mas em uma fração de segundo me veio à cabeça que, não importa o que acontecesse, eles sempre seriam minha felicidade, daí eu respondi: "um motivo para ser feliz".

segunda-feira, 26 de julho de 2010

"Pode cantar quem souber o que tiver cantando, dá uma cantadinha sempre faz bem pra saúde. Não dá ruga não dá cancer, eticétera."
Trilha sonora do dia:
Joshua Radin and Schuyler Fisk
in Paperweight

domingo, 25 de julho de 2010

Retalhos

"Mas sempre me pergunto por que, raios, a gente tem que partir.
Voltar, depois, quase impossível.
Não me mande coisas assim raivosas.
Eu não tenho anticorpos para esse tipo de coisa.
Meu ser é de faca e não de flor.
É tudo tão bonito que me dói e me pesa.
Neste exato momento tens a beleza insuportável da coisa inteiramente viva.
Tenho achado viver tão bonito.
Relaxa baby e flui: barquinho na correnteza, Deus dará.
A vida é agora, aprende.
Você não vai encontrar caminho nenhum fora de você.
E você sabe disso.
O caminho é in, não off.
Sempre há alguma coisa que falta.
Guarde isso sem dor, embora, em segredo, doa.
Loucura, eu penso, é sempre um extremo de lucidez.
Um limite insuportável.
As palavras traem o que a gente sente.
Mas sei que, por um instante, quase senti.
E eu continuo batendo batendo batendo batendo batendo nessa porta que não abre nunca.
Venha quando quiser, ligue, chame, escreva – tem espaço na casa e no coração, só não se perca de mim.
Precisa sofrer e morrer muitas vezes por dia para sentir-se vivo.
Minha vida não cabe nos trilhos de um bonde.
Não que estivesse triste, só não compreendia o que estava sentindo.
Que era uma mulher e amava.
Te procuro em outro corpo, juro que um dia te encontro.
O tempo que temos, se estamos atentos, será sempre exato.
Amor aos montes, por todos os cantos, banheiros e esquinas .
Ando com uma felicidade doida, consciente do fugaz, do frágil.
Rindo da ingenuidade, tentando penetrar em sua intimidade.
Fico pensando se viver não será sinônimo de perguntar.
Ando meio fatigado de procuras inúteis e sedes afetivas insaciáveis.
Preciso ter certeza que inventar nosso encontro sempre foi pura intuição, não mera loucura.
Não sei, deixo rolar.
Vou olhar os caminhos, o que tiver mais coração, eu sigo.
Não é verdade que as pessoas se repitam.
O que se repetem são as situações.
Abraçe a sua loucura antes que seja tarde demais.
Flor e abismo. Flor é abismo.
Embora a bomba esteja nas minhas mãos, estamos todos no mesmo barco, no mesmo beco.
Se ao menos dessa revolta, dessa angústia, saísse alguma coisa que prestasse.
E como isso me doía de vez em quando.
Coisas assim, algumas ferem, mesmo essas que são bonitas.
O tempo é só uma questão de cor, não é?
Tão estranho carregar uma vida inteira no corpo e ninguém suspeitar dos traumas, das quedas, dos medos, dos choros.
Ando bem, mas um pouco aos trancos.
Como costumo dizer, um dia de salto 7, outro de sandália havaiana.
Você era capaz apenas de viveras superfícies, enquanto eu era capaz de ir ao mais fundo.
Te mando retalhos de amor.
Preciso pegar minhas coisas e partir.
Viajar, esquecer, talvez amar.
Te desejo uma fé enorme, em qualquer coisa, não importa o quê.
Não sei fazer ¨jogo social¨.
Até saberia, mas não me interessa, tenho preguiça.
Mas eu não quero ter vergonha de nada que eu seja capaz de sentir.
Mesmo sem compreender, quero continuar aqui onde está constantemente amanhecendo.
A tua estrela é muito clara.
Tenho amigos tão bonitos.
Ninguém suspeita, mas sou uma pessoa muito rica.
Fico quieto.
Primeiro que paixão deve ser coisa discreta, calada, centrada.
Melhor levar para o lado do riso do que para o stadenervos, certo?
E exigimos o eterno do perecível, loucos.
A memória da gente é safada: elimina o amargo, a peneira só deixa passar o doce.
E, de qualquer forma, às cegas, às tontas, tenho feito o que acredito, do jeito talvez torto que sei fazer.
Temos esperanças novinhas em folha, todos os dias.
Ria sozinha quase sempre,uma moça magra tentando controlar a própria loucura,discretamente infeliz.
Como se temesse revelar no sorriso todo o seu mundo interior.
Anota aí pro teu futuro cair na real: essa sede, ninguém mata!
Não estou fazendo nada errado só estou tentando deixar as coisas um pouco mais bonitas.
Incrível é encontrar o não procurado.
Achando o que não está perdido.
Matando as vontades nunca sentidas.
Mas quando desvio meu olho do teu, dentro de mim guardo sempre teu rosto.
Sinais, procuro.
Rastros, manchas, pistas.
Não encontro nada.
Foi quando eu senti, mais uma vez, que amar não tem remédio.
Sofre horrores, mas continua do bem, sempre inventando histórias com final feliz.
Amor?
Não sei.
É meio paranóico.
Parece uma coisa para enlouquecer a gente devagar.
Gastei quase todas as minhas fichas: tudo é blues, azul e dor mansinha.
Sentir sede faz parte.
E atormenta.
A gente se entrega nas menores coisas.
Aos caminhos, eu entrego o nosso encontro.
Seria bonito, e as coisas bonitas já não acontecem mais.
Estou cada vez mais bossa-nova, espiritualmente sentado num banquinho, com o violão no colo.
Ah, me socorre que hoje não quero fechar a porta com essa fome na boca.
Para de sonhar coloridices.
Eu quero um punhado de estrelas maduras eu quero a doçura do verbo viver.
Se tocada por dedos bruscos num segundo me estilhaço em cacos, me esfarelo em poeira dourada.
Como a vida é tecelã imprevisível, e ponto dado aqui vezenquando só vai ser arrematado lá na frente.
Faz tanto tempo que invento meus próprios dias.
Apanhe todos os pedaços que você perdeu nessas andanças e venha.
Porque o mundo apesar de redondo tem muitas esquinas.
Então eu imagina você vindo.
Como eu te imaginava.
Encontrei o amor.
Ele não é real, mas que se há de fazer?
A gente não pode ter tudo na vida.
Pensamentos, como cabelos, também acordam despenteados.
Um dos olhos dela sorria cúmplice.
O outro criticava, cínico.
O tempo não cura tudo, aliás, o tempo não cura nada, ele apenas tira o incurável do centro das atenções.
Guardei a minha no bolso.
E fui.
Gosto de pessoas doces, gosto de situações claras – e por tudo isso ando cada vez mais só.
Cá entre nós: fui eu quem sonhou que você sonhou comigo?
Uma pessoa não é um amontoado de frasezinhas supostamente brilhantes."


Tãão Caio, tãão eu *-*
Só espero que sobrem forças para sorrir por mais uma semana, para me conhecer por mais uns meses, para ser feliz por mais alguns anos. Eu quero sentir o cheiro da vida e ser estranha para os normais, pois afinal a vida não é nada normal mesmo :D

Que seja doce!

sábado, 24 de julho de 2010

Não te ausente jamais


Meu amor, meu amor
Nunca te ausentes de mim
Para que eu viva em paz
Para que eu não sofra mais
Tanta mágoa assim.

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Só pro teu sorriso se abrir

Se você quiser a lua
Eu lhe digo: tome, é sua
Porque eu fiz a lua pra você

Se você quiser a estrela da manhã
Amanhã mesmo
Eu pego e mando pra você

Por você todas as flores
Exibiram novas cores
Tudo pura inveja de você...


Viniii, perfeitudo!

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Resto de nós


Hoje abri aquela caixinha onde guardo nossos segredos,
fazia tempo que não a visitava por puro medo.
Encontrei lá dentro, restos de nós dois.
[...] Depois tranquei a caixinha
e parti para minha realidade fingindo à todos não viver na agonia,
mas na verdade o que eu queria era morar dentro daquela caixinha,
junto com o meu coração que já vive lá,
afinal desde que você me deixou
foi o único lugar que ele encontrou pra continuar a pulsar.

Silvia Schmidt

terça-feira, 20 de julho de 2010

O homem mais bonito do mundo

Uma vez eu conheci o homem mais bonito do mundo. Eu estava sentada no chão de uma festa com pocinhas. Toda festa de jornalista forma pocinhas, pode reparar. E ele veio falar comigo “vai molhar a calça”. Ah, mas vou mesmo.
Se tratava do homem mais bonito do mundo, eu não tinha nenhuma dúvida. Quem poderia ser mais bonito do que ele? Javier Bardem? Não. O Brad Pitt? Eu prefiro os morenos. O Jesus Luz? Acho fraco.
Enfim, tratava-se do homem mais bonito do mundo. E ele veio falar comigo. E eu estava sentada no chão. E ali mesmo trocamos uns beijos e telefones e confissões e eu lembro que, apesar de estar com muito sono e cansaço e desesperança com a vida, fiquei tentando descobrir o que um homem daquele nível supremo de beleza (um metro e noventa, olhos azuis, cabelos castanhos cacheados, ombros que iam até o Chile) tinha visto numa garota bem mediana que estava sentada no chão em um dos dias de menor brilho de sua carreira social.

Apliquei o teste do cotovelo durante o beijo. Apliquei o teste da sapiência média (você comenta que quando você olha pro abismo, o abismo olha pra você, e espera pra ver se ele tem alguma cultura de filosofia de almanaque). Apliquei o teste da bobeira erudita, uma merda qualquer que você lança no ar tipo “ai que vontade de chafurdar por essas lamas universais” e se o cara for minimamente interessante ele compra a besteira e devolve uma outra melhor ainda. Se ele for um tapado ele ri e fala algo idiota tipo “quero o mesmo que você está tomando” e daí você sabe que está, novamente, sozinho no mundo. Como sempre.

E ele, do alto de sua absurda e dolorosa beleza, foi tirando nota sete e meio em todos os quesitos. Devolveu uma besteira à altura, conhecia frases pessimistas perfeitas para uma noite estrelada e passou com certo louvor no teste do cotovelo.
No dia seguinte, já pela manhã, chegou uma mensagem de texto do homem mais bonito do mundo “quero te ver”. E foi então que resolvi pedir ajuda. Juntei a mulherada em casa. E todas nós, em silêncio, começamos a “googla-lo”. Não existe homem mais bonito do que esse e talvez nunca existirá. E, ao que tudo indica, trabalhador, com amigos do bem, amante da natureza e das crianças. A ficha.com estava limpíssima. Mas você viu se ele…Vi, vi, sim, ele passou no teste do cotovelo. Burro? Não. Então o quê hein? Pois é, amigas tão honestas, eu também não sei o que ele viu em mim.

Fiquei quarenta e sete dias com o homem mais bonito do mundo. Todo mundo olhava pra ele. Homens, mulheres, velhinhos, crianças, cachorros, pombas, formigas. Ele poderia ter qualquer uma das anjinhas da Victoria’s Secret (caso além de perfeito fosse trilhardário também...não era o caso, mas era bem de vida) mas preferia estar comigo.
Tudo ia muito bem até que um dia, na fila pra comprar uma bomba de chocolate numa rua de Higienópolis, eu resolvi explodir aquela relação. Ele era tão bonito que me...que me...que...sei lá. Lembro que na hora pensei algo assim “ah, má vá ser bonito assim lá na gentil-mulher-que-te-deu-a-luz”. E ele foi

A super, a hiper, a mega, a extra Tati Bernardi.
Com uma pequena adaptação de Roberta Cristina no final.

domingo, 18 de julho de 2010

"Querido John,

faz cinco anos desde que escrevi uma carta com caneta e papel. Mas pensei em escrever e contar o que aconteceu desde que nos vimos, algumas semanas depois que veio aqui, Tim recebeu uma doação anônima. Doação que ofereceu algo que o plano não permitia. Tempo. Tempo de, finalmente, voltar para casa. Tempo de ficar com o filho. Tempo de se despedir. E com o tempo eu aprendi que, sejam duas semana que passei com você, ou os ultimos dois meses que vivi com ele, em algum
momento, o tempo acaba. Não tenho ideia de onde está no mundo, John. Mas sei que perdi o direito de saber há muito tempo. Não importa quantos anos se passem, sei que uma coisa continuará verdadeira como sempre. "

Do filme "Querido John"


Nem sempre a vida nos reserva o que há de melhor. Finais tristes existem sim, infelizmente.

domingo, 11 de julho de 2010

Grey's Anatomy


Não dá pra saber qual dia será o mais importante da sua vida. Os dias que você pensa serem importantes nunca atingem a proporção imaginada. São os dias normais, os que começam normalmente, e acabam se tornando os mais importantes. Nunca se sabe qual é o dia mais importante da sua vida. Não até ele acontecer. Você não reconhece o dia mais importante da sua vida até que esteja no meio dele. O dia que você se compromete com algo ou com alguém. O dia que você tem seu coração partido. O dia que você conhece sua alma gêmea. O dia que você se dá conta que não há tempo suficiente, porque você quer viver para sempre. Esses são os dia mais importantes. Os dias perfeitos.

ASSASSINOS DE POESIA

Escrever virou moda! E, infelizmente, isso não é dito com um sorriso no rosto, por mais contraditório que seja, pois desde muito tempo vem surgindo os assassinos da poesia. Eles, como qualquer assassino, não acrescentam nada, só retiram. Levam a suavidade do texto, o dom da escrita, a inspiração e a arte de escrever. E a poesia que levam, essa não se restringe somente ao gênero lírico, mas ao encanto das belas frases, o suspiro pela vida e essência da admiração de uma bela música ou de uma paisagem delicada, não trazem de volta.
Pode parecer estranho para aqueles que ainda não aceitaram essa verdade, mas é a realidade. De repente a árdua tarefa de escrever para alguém se torna fácil e bonito, porém já não é como antigamente, quando eram produzidas longas cartas de amor e textos de formatos diversos que expressam a opinião do escritor. Hoje os textos se reduzem a cinco linhas de escrita e que, ou repetem algo que algum famoso recitou algum dia, ou são falas gravadas que todos enviam para seus amigos-de-duas-semanas através de seus sites de relacionamento.
Não é mais expresso os sentimentos, mas sim o automático, as frases gravadas e o que os outros desejam ouvir. Em conseqüência disso, os vícios linguagem, a falta de informação e cultura e os erros ortográficos têm sido cada vez mais normais, já que tudo é bem aceito no mundo virtual, o qual é o mais vivido ultimamente.
Já não se vê poetas, cronistas, músicos e atores bons como antigamente, e então nós nos perguntamos por quê. A resposta encontramos facilmente nas rodinhas de amigos adolescentes, onde o tema se restringe Funk e Orkut. E a poesia, pobrezinha, nem mais se sabe o que ela é.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Retalhos

"Eu me sinto às vezes tão frágil, queria me debruçar em alguém, em alguma coisa. Alguma segurança.
Invento estorinhas para mim mesmo, o tempo todo, me conformo, me dou força. Mas a sensação de estar sozinho não me larga. Algumas paranóias, mas nada de grave. O que incomoda é esta fragilidade, essa aceitação, esse contentar-se com quase nada. Estou todo sensível, as coisas me comovem."


Quem mais poderia ser, hein?

terça-feira, 6 de julho de 2010

E era é amor

"Sempre no mesmo horário eu sento no banco,
abro o jornal e vejo ela passar.
Claro que ela sabe que é amor.
Todo dia é o mesmo jornal."

Tiago Morales, catado do Descobrindo Poesia, da linda Cín :)

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Caiozito falando por mim

"Aos poucos a gente vai mudando o foco. E o lugar nem te acrescenta mais, você começa a precisar de outros lugares. E de outras pessoas. E de bebidas mais fortes. Nem pensa. Vai indo junto com as coisas."

Caio Fernando Abreu

domingo, 4 de julho de 2010

"(...)Às vezes, o que precisamos está tão próximo... Passamos,
olhamos, mas não enxergamos. Não basta apenas olhar. É preciso saber
olhar com os olhos, enxergar com a alma e apreciar com o coração. O
primeiro passo para existir é imaginar. O segundo é nunca se esquecer
de que querer fazer é poder fazer, basta acreditar."

Pedro Bial, que às vezes até consegue filosofar!

sábado, 3 de julho de 2010

'Desejo que o seu melhor sorriso, esse aí tão lindo,
aconteça incontáveis vezes pelo caminho. Que cada
um deles crie mais espaço em você. Que cada um deles
cure um pouco mais o que ainda lhe dói. Que cada um deles
cante uma luz que, mesmo que ninguém perceba, amacie um
bocadinho as durezas do mundo.'


[Ana Jácomo]



(ESSE É PRA VOCÊ QUE LÊ, JÁ COM O PEDIDO DE DESCULPA PELA AUSÊNCIA AQUI)

sexta-feira, 25 de junho de 2010

O que quero ver todos os dias


"Se tu vens, por exemplo, às quatro da tarde, desde as três eu começarei a ser feliz. Quanto mais a hora for chegando, mais eu me sentirei feliz. Às quatro horas, então, estarei inquieto e agitado: descobrirei o preço da felicidade!


Assim o principezinho cativou a raposa. Mas, quando chegou a hora da partida, a raposa disse:

- Ah! Eu vou chorar.

- A culpa é tua, disse o principezinho, eu não queria te fazer mal; mas tu quiseste que eu te cativasse...

- Quis, disse a raposa.

- Mas tu vais chorar! disse o principezinho.

- Vou, disse a raposa.

- Então, não sais lucrando nada!

- Eu lucro, disse a raposa, por causa da cor do trigo.

[...]

E voltou, então, à raposa:

- Adeus, disse ele...

- Adeus, disse a raposa. Eis o meu segredo. É muito simples: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos.

- O essencial é invisível para os olhos, repetiu o principezinho, a fim de se lembrar.

- Foi o tempo que perdeste com tua rosa que fez tua rosa tão importante.

- Foi o tempo que eu perdi com a minha rosa... repetiu o principezinho, a fim de se lembrar.

- Os homens esqueceram essa verdade, disse a raposa. Mas tu não a deves esquecer. Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas. Tu és responsável pela rosa...

- Eu sou responsável pela minha rosa... repetiu o principezinho, a fim de se lembrar. "


Do livro O Pequeno Principe

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Uma cidade regada por uma vala

São raras as cidades que não possuem moradores insatisfeitos com o local onde residem. Vila Velha não é diferente. Problemas, doenças e reclamações só aumentam e nenhuma melhoria é tomada.
Um dos problemas vividos pelos moradores é o Canal Bigossi que corta a cidade e não possui tampas para vedar a sujeira e o mau cheiro carregados pela água podre. E para piorar a situação, Vila Velha é considerada a cidade capixaba onde existe maior proliferação do mosquito da dengue. E isso não é mera coincidência.
Os moradores, por estarem acostumados a este quadro, não reinvidicam a cobertura do canal, por isso continuam convivendo com o mau cheiro. Enquanto isso, crianças morrem de doenças adquiridas devido a presença do valão. Já que a população não se preocupa, a prefeitura se ocupa com obras "mais importantes" como o paisagismo do Canal Bigossi.
Os líderes municipais dificilmente se preocuparão com essa situação, pois não vivem nessa realidade. Então cabe a população se mover por essa causa.

Roberta Beje
Texto inédito na Internet, que será publicado no site do Colégio Ceic na próxima semana.

quarta-feira, 23 de junho de 2010

E pra você? Heein?



Entrevista feita com crianças de 4 a 8 anos, onde elas repondiam a pergunta: "O que é o amor?"

● Amor é quando alguém te magoa e, muito magoado, você não grita, porque sabe que isso fere os sentimentos dela.

● Quando minha vó pegou reumatismo, ela não podia se debruçar pra pintar as unhas dos pés. Desde então, é meu avô quem pinta pra ela, mesmo tendo artrite.

● Amor é quando uma menina bota perfume e o garoto coloca a loção de barba do pai e eles saem juntos e se cheiram.

● Quando alguém te ama, a forma de falar seu nome é diferente.

● Amor: é quando você oferece suas batatinhas fritas sem esperar que a pessoa te ofereça as batatinhas dela.

● Amor é quando você fala pra alguém uma coisa ruim sobre você e o sentimento dessa pessoa é que não ame você por causa disso, ai você descobre que ela continua te amando, e ai ela te ama mais ainda.

● Durante minha apresentação de piano, vi meu pai na plateia me acenando e sorrindo, e era a única pessoa de quem eu não sentia medo.

● Amor é você falar pra um menino "que camisa linda que você tá usando" e aí ele passa a usar a camisa todo o dia.

● Quando você tem amor por alguém, seus olhos sobem e descem e pequenas estrelas saem de você.

● Você sabe o que é amor quando o seu cachorro lambe a sua cara depois de ter deixado ele sozinho o dia inteiro.

● Jesus podia ter dito palavras mágicas pros pregos cairem do crucifixo, mas ele não disse. Isso é amor.

terça-feira, 22 de junho de 2010

Uma história de amor

Agora vos conto uma história que
Tereis de fazer esforço para acreditar
Porque fala de uma princesa
E de um cavaleiro que
na sela de seu cavalo branco
Entrou no bosque
Na procura de um sentimento
Que todos chamavam de amor

Tomou um caminho que levava
A uma cascado onde o ar
era puro como o coração daquela
Menina que cantava
E ela estava junto com os coelhos
os papagaios verde-amarelo
Como as petalas daquelas flores que
Ela trazia entre os cabelos

O cavaleiro então desceu do seu cavalo branco
e devagar se aproximou
Ele a olhou nos olhos por um segundo
Depois sorriu
E lentamente começou a dizer
Estas doces palavras:

Queria eu ser um raio de sol que
A cada amanhã te vem despertar para
Fazer-te respirar e fazer-te viver de mim
Gostaria eu ser a primeira estrela que
A cada noite vês brilhar porque
assim os teus olhos sabem
que te observo
E que estou sempre contigo
Gostaria eu ser o espelho que te fala
E que a cada pergunta tua
Te responda que no mundo
Tu és sempre a mais bela

A princesa então olhou o
Sem dizer palavras
E deixou-se cair entre os seus braços
O cavaleiro a levou consigo
Sobre seu cavalo branco
E seguindo o vento
Cantava-lhe entretanto
Esta doce canção

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Quando a mente falha e as lembranças embaçam

Uma manhã gelada com vento forte poderia ter trazido diversas sensações, já que não é normal um dia gelado aqui por esses cantos. Meu corpo arrepiou, minhas mãos em um rápido movimento tentavam se aquecer e passou pela minha memória aquele rosto. Barba de três dias, olhos fundos com olheiras, um jeito irreverente e inconsequente em todos os lugares. E isso era o único motivo pro dia ser feliz. Aqueles dias o coração batia apertado e cheio de algo que hoje não existe mais.

domingo, 20 de junho de 2010

Eram apenas mais umas palavras

Minha mente se limita, se recusa, se retira. O ócio da criatividade se aponderou do meu telencéfalo, que na minha concepção era desenvolvido, mas sabe-se lá. Olho pras pessoas que passam correndo por mim e também pra aquelas cores e, pra ser sincero, de nada me lembram. Meus pensamentos estão vazios. Soltos. Livres. Aquele casal ali na frente que tem aquela antiga harmonia, quando passou por mim me olhou e nem sequer um texto, uma crônica ou uma poesia me fizeram lembrar. Daí eu vim aqui e escrevi. Sobre tudo. Sobre o nada. Ao menos eu consigo chegar aqui e depositar o que vem borbulhando em mim enquanto milhões de neurônios processam tantas informações e todos os orgãos cumprem suas funções. Pra quê? Pro nada (e não por nada).

-Uma observação-
* Não ouvi direito o que ela falava
* Perguntou sobre a rua Eusébio de Queiróz
* Contou uma história da sua vida
* Me chamou pra sair e comer alguma coisa.
Ps.: não lembro quando, ou o por quê desse texto ter sido escrito, mas se escrevi é porque era pra postar aqui. Então aqui está!

sexta-feira, 18 de junho de 2010

E no fim...


... eu acabo percebendo que a vida não é pra ser levada tão a sério! :P

quinta-feira, 17 de junho de 2010

''Eu não preciso...


... de você nem para andar, nem para ser feliz; mas como seria bom andar e ser feliz ao seu lado ''

sábado, 12 de junho de 2010

Joel Barish: Dia dos namorados é uma data inventada pelo comércio para fazer as pessoas se sentirem como lixo.


Movie Eternal Sunshine

segunda-feira, 7 de junho de 2010


"Eram bonitos juntos, diziam as moças. Um doce de olhar. Sem terem exatamente consciência disso, quando juntos os dois aprumavam ainda mais o porte e, por assim dizer, quase cintilavam, o bonito de dentro de um estimulando o bonito de fora do outro, e vice-versa. Como se houvesse entre aqueles dois, uma estranha e secreta harmonia."

domingo, 6 de junho de 2010

Dos melhores sorrisos para os maiores sonhos


"Queria te contar o que eu talvez tenha aqui comigo,
Eu tenho alguma coisa pra te dar.
Tem espaço de sobra no meu coração.
Eu vou levar sua bagagem e o que mais estiver à mão."
                      
                                          (Tiê - Dois)


Como eu já disse, tem momentos,
assim como esse, que fazem valer a pena toda a tristeza, o cansaço, o stress e aquelas coisinhas que incomodam nossa semana. E também tem gente que chega já recuperando tudo que tinha sido escondido e guardado. Aparece e se reconecta trazendo consigo todo aquele carinho, aquela calmaria, perguntando como faz pra continuar a história.
Essas pessoas nos surpreendem com o coração, com a alma, com os presentes que não se veem, mas se sentem.
Elas ficam um minuto e criam laços, ficam um ano e marcam. Eu fiquei marcada.
Marcada de amizade, de amor, de história, de risada. Essas pessoas são exatamente iguais a Aninha!
Quero que fique, pois vou levar tua bagagem, acabar com esses intervalos de tempo, pra gente poder continua assim, com a vida floriiida!
Que venham mais dias assim e que tenham essa mesma essência.
Com amor,
R.